18 de março de 2015

Peça: Amor de Clarice Lispector



Hoje fui assistir a uma peça de teatro que chama atenção principalmente pela narrativa, AMOR de Clarice Lispector apresentada pelo Grupo de Teatro Conto em Cena, um grupo que surgiu em 2009 e conta com um grande elenco de atores e professores do CUCA (Centro Universitário de Cultura e Arte). Foram ótimos em sua atuação !!!

Particularmente eu sempre preferi ver histórias com uma narrativa linear,mas Clarice desafia isso. Ela não se preocupa com a questão de tempo, os fatos narrados vem com a velocidade do pensamento, por vezes detalhista, outros desordenados. Por muitas vezes vi a autora ser citada em várias ocasiões. Hoje me propus a pesquisar mais sobre ela e seu contexto para compartilhar aqui ...


Clarice Lispector (ou Chaya Pinkhasovna) foi uma escritora, tradutora, contista, ensaísta e jornalista. Nascida em 10 de dezembro de 1920 na Ucrânia e naturalizada no Brasil. Estudou direito na UFRJ mas desde o início se destacou na literatura e marcou o modernismo do séc. XX. 

O objetivo de Clarice, em suas obras, é o de atingir as regiões mais profundas da mente das personagens para então sondar mecanismos psicológicos. 

O enredo para a autora tem importância secundária. São comuns histórias sem começo, meio ou fim. Por isso, ela se dizia, mais que uma escritora, uma "sentidora", porque registrava em palavras aquilo que sentia. 

Em suas obras predomina principalmente o tempo psicológico, o narrador segue o pensamento e o monólogo interior. Assim, o enredo pode fragmentar-se. As características físicas das personagens também ficam em segundo plano, as vezes não apresentam nem mesmo um nome.

As personagens descobrem-se num mundo absurdo, o que dá-se normalmente diante de um fato inusitado para a personagem. Dessa forma ocorre o que se chama de “epifania”, classificado como o momento em que a personagem sente uma luz iluminadora de sua consciência e que a fará despertar para a vida e situações a ela pertencentes que em outra instância não fariam a menor diferença.

Isso provoca um real desequilíbrio interior que muda a vida da personagem. Para Clarice, "Não é fácil escrever. É duro quebrar rochas. Mas voam faíscas e lascas como aços espelhados". "Mas já que se há de escrever, que ao menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas". "Minha liberdade é escrever. A palavra é o meu domínio sobre o mundo."


LISTA DE OBRAS

Romance
Perto do coração selvagem (1943)
O lustre (1946)
A cidade sitiada (1949)
A maçã no escuro (1961)
A paixão segundo G. H. (1964)
Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres (1969)
Água viva (1973)
Um sopro de vida (1978)


Novela
A hora da estrela (1977)


Contos
Laços de família (1960)
A legião estrangeira (1964)
Felicidade clandestina (1971)
Onde estivestes de noite? (1974)
A via crucis do corpo (1974)
A bela e a fera (1979)


Literatura infantil
O mistério do coelho pensante (1967)
A mulher que matou os peixes (1968)
A vida íntima de Laura (1974)
Quase de verdade (1978)
Como nasceram as estrelas (1987)


Crônicas
Para não esquecer (1978)
A descoberta do mundo (1984)


PEÇA DE TEATRO
AMOR DE CLARICE LISPECTOR
(Grupo Conto em Cena)



"Ana é uma dona de casa, mãe, e esposa na década de 1960 que percebe sua condição diante da família e sociedade a partir do momento em que vê um cego mascando chicletes."

A vida era normal, "os filhos de Ana eram bons, uma coisa verdadeira e sumarenta. Cresciam, tomavam banho, exigiam para si, malcriados, instantes cada vez mais completos."

Chega um momento na vida de Ana que ela começa a perceber o que antes não percebia, sua própria condição de mulher na sociedade, seus conflitos. Bastou um simples fato, presenciar um cego mascando chicletes, foi suficiente para que ela mudasse. A partir daí, Ana tem sua epifania, revelação da vida. Descontrolada emocionalmente, perde o ponto onde deveria descer. Sua vida cotidiana continua da mesma forma mas a partir desse dia ela não se sente mais a mesma. 

Os recursos literários que nos fazem analisar nossa própria condição, os fatos que mudam nossas vidas. Foi muito interessante também os recursos utilizados no palco para o cenário, o jogo de luzes, a performance na narração da história, a música, o recurso dos bonecos na dramatização.



As novas apresentações vão acontecer
nos dias...

25 Março - Amor de Clarice Lispector (Grupo Conto em Cena)
01, 08 e 29 de Abril - Encarceradas (Grupo Recorte de Teatro) 
13/05, 20/05, 27/05 e 03/06 - A cidade da rua Direita (Grupo Cordel)

No CUCA - sempre às 19hs


Informações: 9240 0557 | 8146 5999
Facebook.com/projetocontoem.cena

( Informações retiradas dos panfletos da peça )


Pesquisa: 

http://pt.wikipedia.org/wiki/Clarice_Lispector
http://www.brasilescola.com/biografia/clarice-lispector.htm 
http://polivanda.blogspot.com.br/2012/01/conto-amor-de-clarice-lispector.html

SOBRE Lorena Caribé

Olá! Meu nome é Lorena. Amo escrever, ler, viajar , me corresponder com pessoas de várias partes do mundo. Criei esse espaço para estar compartilhando sobre o que gosto, meu cotidiano, coleções, leituras, resenhas de produtos, tutoriais, viagens e dicas em geral. CONTATO: lorena.caribe@hotmail.com

POSTS RELACIONADOS

Comente com o Facebook:

INSTAGRAM